quarta-feira, 2 de abril de 2008


Não tenho palavras para sair
Nem tão pouco inspiração
Estou tão seca como uma fonte pode estar
Uma que jorra
E brota ainda assim
Mas que de fresca
Pouco tem para dar

Não há necessidade de mentir
Mais vale acreditar
Que definitivamente estou acabada
Pronta para desistir do meu ar

2 comentários:

Expresso do Oriente disse...

Lembra-te da Fenix que, depois de morta, renasce. cada vez mais bela.

Ignota disse...

alguém comentou por primeiro e com muita sabedoria... eu vinha, simplesmente, dizer que é preciso estarmos atentas aos sinais: só eles nos impedirão de desistir.
também espero os meus. :)